Atuação do MP possibilita que pai reconheça a paternidade de filho de 36 anos

O Ministério Público de Goiás possibilitou, mais uma vez, que um filho exercesse o direito de ter o nome do pai em sua certidão de nascimento. Nesta quinta-feira (19/9), João Caetano Ferreira encontrou-se pela primeira vez com o filho Alex Barbosa de Amorim, hoje com 36 anos, na sede das Promotorias de Justiça de Inhumas. Após verificarem o resultado positivo do exame de DNA, ambos assinaram um termo reconhecendo a paternidade.

Segundo relatado ao promotor Maurício Gebrim, da 1ª Promotoria de Justiça de Inhumas, a mãe de Alex conheceu o pai no ano de 1982, em uma festa na região de Ouro Verde (GO), momento em que tiveram um envolvimento. Desde então, a mãe nunca contou ao filho quem era o pai e tampouco comentou com João Caetano Ferreira ou alguém da família que tivesse um filho dele.

No entanto, Alex sempre quis saber quem era o pai, até que um dia a mãe comentou que seria João Caetano. O filho, que reside em Goiânia, procurou a 51ª Promotoria de Justiça da capital, a qual solicitou auxílio à 1ª Promotoria de Justiça de Inhumas, para encontrar o suposto pai.

Localizado, João Caetano fez o exame de DNA. Ele, que à época do envolvimento com a mãe de Alex era solteiro, hoje tem outros três filhos e vive na zona rural de Damolândia, município pertencente à comarca de Inhumas.

É Legal ter Pai
O projeto É Legal Ter Pai, desenvolvido pela 51ª Promotoria de Justiça de Goiânia, foi lançado oficialmente no dia 1º de fevereiro de 2012, visando à garantia do direito de paternidade. Desde então, mais de 1,8 mil exames de DNA foram realizados no âmbito do projeto. Conforme pondera a promotora Gislene Silva Barbosa, idealizadora da proposta, o projeto tem o objetivo de ampliar o acesso da população à estrutura já viabilizada pelo Ministério Público para promoção das medidas necessárias ao reconhecimento de paternidade.

Somente no primeiro semestre de 2019 foram feitos 108 acordos na capital para a realização de exame de DNA visando à investigação de paternidade. Os contatos com a promotoria podem ser feitos pelo telefone (62) 3243-8083 ou pelo e-mail 51promotoria@mp.go.gov.br. Nos municípios do interior goiano, a solicitação pode ser dirigida à Promotoria local. No portal do MP, a campanha está em destaque em banner na página principal. (Assessoria de Comunicação Social do MP-GO)