A partir deste fim de semana, advogados poderão usar sala da OAB enquanto aguardam audiências de custódia

A partir do plantão deste fim semana, os advogados que comparecerem ao Fórum Criminal de Goiânia para acompanhar clientes durantes as audiências de custódia terão acesso às dependências do prédio uma hora antes do início da sessão e poderão utilizar a sala da Ordem dos Advogados do Brasil – Seção Goiás (OAB-GO) no local enquanto aguardam a sua vez.

A novidade, que foi anunciada durante reunião nesta quinta-feira (27) entre representantes da Ordem dos Advogados do Brasil – Seção Goiás (OAB-GO) e a Diretoria do Foro da comarca de Goiânia, é resultado de reivindicações da Seccional Goiana. Advogados levaram ao conhecimento da instituição que durante os plantões forenses na capital eram impedidos de adentrar as dependências do prédio para aguardar o início das audiências em local adequado, sendo obrigados a permanecer do lado de fora das grades que cercam o edifício.

Participaram da reunião o secretário-geral da OAB-GO, Jacó Coelho; o vice-presidente da Comissão de Direitos e Prerrogativas (CDP), Kleyton Caetano; a secretária da Comissão de Segurança Pública e Política Criminal (CSP), Janaina Ribeiro; o juiz diretor do Foro, Paulo César Alves das Neves.

Prerrogativas

Jacó Coelho reforçou a atuação da Ordem para garantir a resposta adequada à situação. “A OAB-GO, sensível a solicitação dos advogados, tomou todas as medidas cabíveis para solucionar o caso. Por meio do diálogo e da parceria, o Poder Judiciário está atendendo as nossas solicitações”, avaliou.

Já Kleyton Caetano destacou o trabalho incansável da CDP para buscar o atendimento das reivindicações da advocacia. “A medida é uma prova da atuação da OAB-GO em todos os casos notificados de violação de prerrogativas. O diretor do Foro entendeu a problemática e atendeu a solicitação da OAB-GO para resolver o entrave”.

A secretaria da Comissão de Segurança Pública e Política Crimina afirmou, por sua vez, que a atuação da OAB-GO no caso evidencia que “as prerrogativas da advocacia são prioridade”. Com informações da OAB-GO