Tribunal do Júri absolve homem por entender que ele atirou para se defender durante briga de torcedores

Em sessão presidida pelo juiz da 3° Vara dos Crimes Dolosos contra a Vida e Tribunal do Júri da comarca de Goiânia, Jesseir Coelho de Alcântara, o Tribunal do Júri absolveu, nesta quarta-feira (25), Marcos Henrique Rodrigues Oliveira. Ele foi acusado de matar, em agosto de 2018, Matheus Capuzo Lourenço Martins, enquanto ambos assistiam uma partida de futebol em um bar, entre os times do Goiás e Vila Nova. A decisão do Conselho de Sentença, formado por quatro homens e três mulheres, é soberana.

Com a absolvição, ela fica estendida aos partícipes José Amâncio Pereira Neto, Ridaam Morais Martins, Adysson Nathan Alves Estevo e Medson Alexander Alves Estevo. “Como houve o desdobramento do processo relativo aos partícipes, o qual está em grau de recurso no Tribunal de Justiça de Goiás, determino a expedição do ofício à Corte informando-lhe desta decisão”, salientou o juiz.

Durante a manhã, foram ouvidas três testemunhas, sendo uma arrolada pelo Ministério Público do Estado de Goiás (MPGO) e duas pela defesa. Além do interrogatório do réu, que afirmou que atirou em Matheus para se defender. “Eu atirei para me defender, começou a briga e o Matheus veio para cima de mim. Eu assustei e atirei para me defender”, relatou ao afirmar que estava com a camisa do time do Vila Nova.

A denúncia

O crime, conforme denúncia oferecida pelo Ministério Público, ocorreu em via pública, na Avenida Perimetral, esquina com a Avenida Goiás Norte, no Jardim Diamantina, em Goiânia. Consta dos autos que a vítima e outras quatro pessoas assistiam ao jogo, quando, ao saírem do estabelecimento, depararam com o veículo em que estavam os réus. Um dos denunciados, de dentro do carro, gritou “olha lá os mochés”, se referindo à vítima e seus amigos, torcedores do Goiás Esporte Clube. Os denunciados, então, iniciaram uma perseguição aos torcedores esmeraldinos até o sinaleiro da Avenida Perimetral Norte, em frente ao Shopping Passeio das Águas, quando desceram e iniciaram as agressões a Matheus e seus amigos.

Durante a discussão, o denunciado Marcos Henrique, munido da arma de fogo, desferiu vários disparos na direção da vítima. Além de Matheus, os disparos também atingiram o vidro de trás do veículo de uma testemunha que trazia sua filha no banco traseiro. O jovem foi encaminhado por um dos seus colegas, porém, ao chegar no Cais do Setor Finsocial, não resistiu aos ferimentos e morreu ainda no local.