Juiz converte em preventiva prisão em flagrante de mulher acusada de matar e esconder corpo de homem embaixo da cama

O juiz Leonys Lopes Campos da Silva, da 2ª Vara Cível de Anápolis, converteu a prisão em flagrante de Milza Maria Vieira dos Santos em preventiva. Ela foi presa na quarta-feira (08/04) acusada de matar um homem, carbonizar e esconder corpo embaixo da cama, em uma casa em Anápolis. A mulher confessou o crime à polícia.

Conforme informações divulgadas, o corpo foi descoberto por outro homem, que foi a casa da acusada. Ele relatou que, ao ficar sozinho no quarto, sentiu o mau cheiro e descobriu o corpo  embaixo da cama. O visitante chamou a polícia.

Ao analisar o caso, o juiz disse que, no que se extrai do Auto de Prisão em Flagrante (APF), denota-se que que a mulher, já com mandado de prisão em aberto, foi segregada em razão de denúncia da ocultação de cadáver. E que ela própria confessa a autoria delitiva, restando consubstanciando o intento em ocultar o cadáver, dando detalhes do modus operandi, o qual consistiu na tentativa de carbonizar o corpo.

Assim, segundo o magistrado, existindo indícios suficientes de sua autoria na infração penal, a prisão cautelar da mulher é exigida para resguardar a ordem pública e a própria sociedade. No intuito de se evitar a reiteração de atos similares, ressaltando-se seus predicados pessoais desfavoráveis. “Verifica-se estarem presentes os pressupostos necessários para a conversão da prisão em flagrante da autuada em preventiva”, completou.

Processo nº 5171148.52.2020.8.09.0006