OAB-GO vai encaminhar a ONU manifesto pelos direitos civis da pessoa negra

Em reunião conjunta, a Comissão Especial de Direito Civil (CEDCivil), a Comissão de Mulher Advogada (CMA) e a Comissão Especial da Promoção da Igualdade Racial (CEPIR) promoveram debate sobre os direitos civis das pessoas negras no último dia 13 de novembro, na sede da seccional goiana da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-GO).

Na ocasião, houve a leitura de um manifesto humanista sobre a consciência negra de autoria do conselheiro seccional Carlos André Pereira Nunes. O texto será submetido ao Conselho Federal da OAB e protocolado junto a Organização das Nações Unidas (ONU) e a ONU Mulheres – Entidade das Nações Unidas para a Igualdade de Gênero e o Empoderamento das Mulheres.

O encontro contou com palestras da conselheira seccional e presidente da CEPIR, Maura Campos Domiciana, e do conselheiro seccional e presidente da Comissão Especial de Concursos Públicos (CECP), Carlos André Pereira Nunes.

A presidente da CMA e conselheira seccional, Ariana Garcia, ressaltou o objetivo do encontro. “O intuito é dar voz para que pudéssemos debater esse tema que hoje em dia é um dos temas centrais da nossa sociedade”. Para o presidente da CEDCivil, conselheiro seccional Clodoaldo Moreira, a “reunião foi histórica”.

A conselheira seccional e presidente da CEPIR, Maura Campos, foi uma das palestrantes e abordou o aspecto histórico da escravidão no Brasil e discutiu sobre os direitos civis que a população negra “ainda está lutando para alcançar”. “A população negra é muito prejudicada nos espaços de poder e de decisão. Estamos lutando para tentar sarar metade dessa ferida”. Maura ainda ressaltou a força institucional da OAB para ampliar o debate na sociedade.

Também foram palestrantes o vereador Lucas Kitão; o empregado público Washington Duarte; a modelo Amambia Costa; e a advogada Lara Brito.

Leia aqui o manifesto.