Força-tarefa da Justiça Eleitoral de Goiás baixa mais de 70% dos processos de 1º grau no Estado

Força-tarefa criada pela Justiça Eleitoral baixou mais de 70% dos processos de primeiro grau em Goiás. Para isso foi criado, pela gestão do presidente do Tribunal Regional Eleitoral de Goiás, desembargador Leandro Crispim, um grupo de Trabalho para auxiliar nas ações que tramitam nas zonas eleitorais visando a diminuição de seu acervo.

A iniciativa, que também atende o cumprimento das Metas Nacionais definidas pelo Conselho Nacional de Justiça para o ano de 2020, tem como coordenador dos trabalhos o juiz Gestor de Metas, Vicente Lopes da Rocha Júnior. Segundo ele, o projeto, idealizado pelo presidente Leandro Crispim, trouxe resultados muito acima do que era esperado, graças à dedicação e ao empenho da equipe.

O juiz Vicente Lopes da Rocha Júnior foi o coordenador dos trabalhos

Vicente Lopes explica que relatório apresentado pelo Grupo de Trabalho apresenta balanço da operação força-tarefa realizada em 21 zonas eleitorais de Goiás com o objetivo de baixar os estoques de processos judiciais em tramitação naquelas localidades.

“Foram três equipes, com três servidores cada uma, além do grupo de apoio da sede do Tribunal, que conseguiram, em pouco mais de 40 dias, baixar mais de 2,2 mil processos. O total representa 70% do estoque de processos físicos da Justiça Eleitoral. Uma medida inédita, grandiosa, que, com certeza trará grandes resultados para os jurisdicionados e eleitores”, declarou o Juiz.

Segundo Vicente Lopes, no início das atividades haviam 3.046 processos físicos. Atualmente, os dados se restringem a 810 processos, o que representa uma baixa de 73,4%. Nesse ano, as ações foram realizadas em duas etapas. No ano que vem, será dado prosseguimento à iniciativa. A força-tarefa é constituída por um grupo de trabalho com a atribuição de auxiliar as Unidades Jurisdicionais de 1º Grau, ou seja, nas zonas eleitorais, e para tanto foi publicada Portaria 133/2020.