ESA-GO vai expandir a instalação de polos de cursos nas subseções do interior

“Vamos dar um passo avante na regionalização dos nossos serviços para a advocacia que está nas subseções”, afirma Lara

Marília Costa e Silva

A Escola Superior da Advocacia de Goiás (ESA-GO) vai expandir a instalação de polos de cursos no interior, além de promover e possibilitar a realização de mais congressos e eventos em todas as subseções. “Vamos dar um passo avante na regionalização dos nossos serviços para a advocacia que está nas subseções. Estamos aqui para discutir esta e outras pautas, com o objetivo de levar serviços de qualidade a toda a advocacia”, explica diretor-geral da Escola e conselheiro federal pela OAB-GO, Rafael Lara Martins.

A novidade foi anunciada na sexta-feira passada (5), durante o 6° Colégio de Gestores da Escola Superior de Advocacia, realizado no Meu Escritório – Casag, no Centro de Goiânia. Conforme apresentado no evento, em 2018, a ESA realizou 479 cursos (aumento de 40% em relação ao último ano). O número de certificados emitidos também avançou: a média de 809/mês (2016) saltou para 1.256/mês nesse ano (2018).

Participantes do 6° Colégio de Gestores da Escola Superior de Advocacia

“Estamos promovendo cursos de extensão, de aperfeiçoamento profissional em diversas áreas do Direito, além de cursos de longa duração, com três, quatro, cinco ou seis meses. A ESA está voltada à expansão e à democratização da qualificação da advocacia. Estamos atingindo nossa meta”, afirma Rafael Lara.

Luciana Lara avaliou que houve um avanço na oferta de vagas e de cursos da ESA no último triênio. “Agora é hora de expandir ainda mais e fazer que os cursos cheguem a maioria das subseções”, destacou. Antônia Chaveiro, por sua vez, frisou o papel institucional da ESA de qualificar e atualizar a advocacia. “Para isso, vamos nos organizar e utilizar das ferramentas e recursos possíveis”, frisou.

A diretora adjunta da ESA Luciana Lara garantiu que Luciana Lara que houve um avanço na oferta de vagas e de cursos da ESA no último triênio. “Agora é hora de expandir ainda mais e fazer que os cursos cheguem a maioria das subseções”, destacou. Antônia Chaveiro, também diretora adjunta, por sua vez, frisou o papel institucional da ESA de qualificar e atualizar a advocacia. “Para isso, vamos nos organizar e utilizar das ferramentas e recursos possíveis”, frisou.