Depois de Gilmar, Fux alega ‘foro íntimo’ para não julgar pedido de liberdade de João de Deus

Ministros Gilmar Mendes e Luiz Fux

Assim como ministro Gilmar Mendes, o colega Luiz Fux alegou motivo de foro intimo para não julgar pedido de liberdade de João de Deus, que está preso no Núcleo de Custódia, em Aparecida de Goiânia, acusado de abuso sexual. A defesa entrou com pedido de habeas corpus no Supremo Tribunal Federal no último dia 15 de fevereiro.

No STF, inicialmente, o processo foi distribuído a Gilmar Mendes, que seis depois de receber o processo devolveu a ação para ser redistribuída entre os colegas declarando-se suspeito para analisar o pedido de soltura do médium. O mesmo aconteceu nesta quinta-feira (28) quando Luiz Fux também alegou motivo de foro íntimo para não apreciar o hc.

Esta semana, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) indeferiu habeas corpus a João Deus, que está preso desde 16 de dezembro. Contra ele já existem quatro denúncias oferecidas pelo Ministério Púlico de Goiás por estupro de vulnerável, abuso sexual e porte ilegal de arma de fogo.