Decretada prisão de homem que cobrava até R$ 2 mil para burlar filas de cirurgias do SUS

A juíza Placidina Pires, da 6ª Vara dos Crimes Punidos com Reclusão da comarca de Goiânia, decretou a prisão preventiva do servidor público Eder Alves Da Rocha, apontado como responsável por esquema fraudulento que burlava filas para cirurgia do Sistema Único de Saúde (SUS), mediante pagamento em dinheiro.

As investigações foram conduzidas pela Delegacia Estadual de Repressão a Crimes Contra a Administração Pública, que solicitou à magistrada a ordem de prisão, busca e apreensão e quebra de sigilo dos dados de internet e telefone celular. A manutenção da segregação cautelar foi deferida durante audiência de custódia, ocasião em que o suspeito confessou a prática ilícita.

Juíza Placidina Pires

Consta dos autos que Eder facilitava o acesso a cirurgia no Hospital Estadual Geral de Goiânia (HGG) de quem pagava, entre R$ 1 mil e R$ 2 mil. A denúncia foi feita por uma mulher que entrou num grupo de WhatsApp chamado Cirurgia Plástica pelo SUS – Goiânia, onde conheceu o suspeito que lhe ofereceu vantagem de acelerar o acesso ao procedimento médico em troca de R$ 1 mil.

No dia marcado, a consulta não foi realizada por um erro de agendamento e a mulher ficou desconfiada. Dessa forma, ela se dirigiu à gerência do hospital e foi orientada a prestar queixa na delegacia, dando início às investigações.

Após analisar os fatos, a magistrada destacou que “os delitos supostamente praticados envolvem a saúde de pessoas que dependem do Sistema Único de Saúde e estão há longos períodos nas filas de espera, aguardando chamada para o devido tratamento, o que demonstra a necessidade da segregação cautelar do investigado e desvendar a participação de outros servidores no esquema”.

Processo 2018.0157.6070