terça, 11 de dezembro de 2018 62 9 9904-5026
USA Fácil

USA Fácil

Cenário nebuloso à frente para empresários brasileiros: é hora de internacionalizar sua empresa

Quando se trata de internacionalização de empresa para os Estados Unidos, estamos falando principalmente, do Visto L.

O Jornal inglês The Economist publicou um artigo esta semana sobre o Brasil, dizendo que os próximos anos, independente de quem venha a vencer as eleições presidenciais, serão anos muito difíceis para a economia brasileira.

Outra situação que chamou a atenção negativamente foi a declaração do presidente norte americano Donald Trump, quando questionado por um repórter sobre as relações comerciais com a Índia, respondeu que este país é muito difícil tal qual o Brasil, e daí em diante disparou a falar sobre o quanto é difícil as negociações das companhias americanas com o Brasil, listando uma infinidade de situações e acenando com possíveis medidas de retaliação à produtos brasileiros.

Empresário, o que fazer diante deste cenário tão incerto?

Que tal levar sua empresa para os EUA? Que tal transformar seus produtos “made in the USA”? Que tal ganhar em dólares? Que tal ter o direito de residir legalmente nos EUA, com toda a família?

Isto é possível!

Para abrir uma filial nos EUA é necessário seguir alguns passos importantes que definirão o sucesso do investimento. Através de um Business Plan bem estruturado onde constarão as informações a cerca dos valores investidos, custos da implantação, escolha do local para instalação, estimativa de geração de empregos e impostos, entre outros dados. O advogado cuidará de toda parte burocrática, desde a contratação do accounter (contador), até a solicitação de todas as licenças pertinentes, bem como o processo de solicitação de vistos de sócios e managers (gerentes).

Quando se trata de internacionalização de empresa para os Estados Unidos, estamos falando principalmente, do Visto L. Este visto é permitido para cidadãos brasileiros e dá imigração (Green Card temporário) para sócios e funcionários imprescindíveis (aqueles que de alguma forma detenham um segredo de mercado da companhia). Mas, para tanto, é necessário todo um projeto que inclui um Business Plan aprovado pelo USCIS (U.S. Citizenship and Immigration Services) órgão responsável por vistos de imigração, planilhas de viabilidade econômica para 03 anos subseqüentes, comprovando as estimativas de geração de empregos – aconselha-se, no mínimo dez (10) empregos diretos, além de estimativa de geração de impostos.

Este visto é renovável anualmente com a comprovação dos Income Taxes (impostos) pagos. Após cinco (05) anos, e não havendo nada que deponha contra a empresa junto ao IRS (Receita Federal), o empresário poderá aplicar para o Green Card definitivo (10 anos).

Existem implicações legais e fiscais com a abertura de qualquer tipo de empresa nos Estados Unidos.  Por isso é aconselhável a assessoria de pessoas especializadas no assunto que possam lhe auxiliar durante esse processo.

O custo para um processo de abertura de uma empresa nos Estados Unidos varia de acordo com o tipo do business, tamanho da companhia, quantidade de vistos inclusos no projeto, entre outras variáveis. Porém, o custo-benefício é bastante positivo. Sem contar que ter acesso ao mais exclusivo e importante mercado do mundo dá um mega up grade em qualquer companhia. Independente do tamanho de sua empresa aqui no Brasil, vários fatores são levados em consideração numa análise para voos internacionais.

Procure uma assessoria especializada em internacionalização de empresas e imigração para os EUA para entender o processo e ver se o perfil de sua empresa é viável para uma internacionalização.

Mara Pessoni 

Law Offices of Witer DeSiqueira

CNI – Consultoria de Negócios Internacionais

 

OBS.:  O propósito deste artigo é informar as pessoas sobre imigração americana, jamais deverá ser considerado uma consultoria jurídica, cada caso tem suas nuances e maneiras diferentes de resolução. Esta matéria poderá ser considerada um anúncio pelas regras de conduta profissional do Estado da Califórnia e Nova York. Portanto, ao leitor é livre a decisão de consultar com um advogado local de imigração.

Comentários



Receba nosso informativo

Cadastre-se em nossa newsletter e fique por dentro das novidades do portal Rota Jurídica