Suspensa greve de trabalhadores do transporte coletivo de Goiânia prevista para esta segunda-feira

Após mais de quatro horas de audiência, realizada neste domingo (8), na sede da Justiça do Trabalho em Goiás, os representantes das empresas e dos trabalhadores do transporte coletivo de Goiânia chegaram a um acordo para suspender greve anunciada para ocorrer a partir desta segunda-feira (9), com o compromisso de prosseguimento das negociações em uma próxima audiência, a ser realizada no dia 12 de novembro.

Na petição inicial, o Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Passageiros de Goiânia (SET) requereu que fosse determinado à categoria de empregados, representado pelo Sindicato Intermunicipal dos Trabalhadores do Transporte Coletivo Urbano de Goiânia e Região Metropolitana (Sindicoletivo), a abstenção de desencadear movimento grevista, alegando, em síntese, dentre outros fatores, as graves dificuldades financeiras enfrentadas pelas empresas devido ao impacto sofrido na demanda dos serviços. Já o sindicato da categoria de empregados defende a legalidade e a necessidade da greve, principalmente, pela ausência de reajuste do salário e tíquete-alimentação há mais 7 meses passados da data-base da categoria (março), além da notícia de “retirada de benefícios como a cesta natalina e outros direitos da categoria profissional”.

Em sessão conduzida pelo desembargador Daniel Viana Junior para conciliação das partes, com presença do procurador-chefe do Ministério Público do Trabalho, Tiago Ranieri, o sindicato das empresas apresentou a proposta final de reajuste de 3,75% no salário, 5% no tíquete-alimentação, manutenção dos direitos atualmente concedidos, bem como discussão sobre o retroativo de ambas as parcelas, referente ao período de março a dezembro de 2020, a ser realizada posteriormente, na data-base da categoria em março de 2021, com a mediação da Justiça do Trabalho e Procuradoria Regional do Trabalho.

O sindicato dos empregados concordou parcialmente com a proposta patronal e a suspensão temporária da greve, porém, com o compromisso de prosseguimento das discussões quanto às parcelas retroativas e outras cláusulas sociais já numa próxima audiência, a ser realizada na Justiça do Trabalho em 12 de novembro às 9 horas.

O desembargador Daniel Viana Júnior, ao suspender a audiência, elogiou a disposição do sindicato dos empregados em continuar o debate das propostas com suspensão temporária da greve e do sindicato patronal em continuar tentando viabilizar o atendimento das propostas mesmo neste momento de pandemia e difícil situação financeira para as empresas do transporte público. Fonte: TRT-GO