Denunciadas seis pessoas por envolvimento no latrocínio de motorista de aplicativo em Goiânia

O  promotor de Justiça Publius Lentulus Alves da Rocha ofereceu denúncia contra seis pessoas por envolvimento no latrocínio do estudante de Direito e motorista de aplicativo Carlos Augusto dos Santos Lopes. O crime ocorreu por volta das 20h46 do dia 13 de outubro deste ano, na Rua FP 17, no Setor Recreio dos Bandeirantes. Na peça acusatória, foi solicitado o encaminhamento de cópia do inquérito policial ao Juizado da Infância e da Juventude, para instauração de ação socioeducativa contra uma adolescente, pela prática de ato infracional análogo a crime de favorecimento pessoal.

Foram denunciados Carlos Duarte da Silva, Izabela Oliveira Adelardo e Ricardo Duarte da Silva por latrocínio e corrupção de menores, e Clístenes Souza Freire, Johnathan Gomes de Morais e Marcos Aurélio Lopes Martins por favorecimento pessoal e corrupção de menores. O promotor Publius Lentulus requisitou, entre outros, que a Polícia Civil forneça endereços e qualificações corretas dos envolvidos no crime, além dos laudos de pesquisa de impressões digitais no veículo da vítima, de confronto balístico da arma apreendida e do projétil de arma de fogo retirado do corpo da vítima.

De acordo com a denúncia, Ricardo Duarte da Silva organizou o roubo que determinou que Carlos Duarte da Silva, de quem é irmão, e Izabela Oliveira Adelardo, com quem namora, fossem até um shopping center na Região Noroeste de Goiânia, para roubarem um carro de aplicativo. No local, os dois realizaram a chamada e foram atendidos por Carlos Augusto, que estava com o Fiat Argo, placa PBO-0264.

O destino da corrida foi o Bairro Recreio dos Bandeirantes. Ao passarem pela Rua FP-17, Izabela Adelardo retirou o revólver de dentro da bolsa e entregou a Carlos Duarte, que a apontou para a vítima e anunciou o assalto. O motorista assustou-se e colocou a mão na arma, momento em que levou dois tiros. Assim que o veículo parou, os dois desceram e fugiram. A jovem foi para a casa da avó, onde escondeu a arma utilizada no crime.

Ricardo Duarte da Silva aguardava o desfecho da ação criminosa na casa de Marcos Aurélio Lopes Martins, que ofereceu o imóvel para que Carlos Duarte se escondesse para não ser encontrado pela Polícia Militar. Uma adolescente chamou Clístenes Freire e solicitou que buscasse Ricardo Duarte na casa de Marco Aurélio, para que fossem até a casa de Izabela Adelardo, para resgatá-la e localizar o revólver, que deveria ter sumiço definitivo. A tarefa de pegar a arma foi dada a Johnathan de Morais.

A Polícia Militar conseguiu prender Izabela Adelardo e obter todas as informações sobre a arma e as pessoas envolvidas no crime. Descobriu também que parte do grupo seguia para a casa em que se encontrava. Todos foram presos. Fonte: MP-GO