Bloco B, do Complexo do TJGO, no Setor Oeste, será totalmente reformado

O presidente do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás (TJGO), desembargador Walter Carlos Lemes, assinou nesta quinta-feira (31) a ordem serviço para a execução da obra da reforma do Bloco B, do Complexo Tribunal. O prazo previsto para finalização do serviço é de 26 meses, com início imediato. Esta é a primeira vez que o prédio, inaugurado em 1986 e que abrigou a sede do fórum da comarca de Goiânia, passará por ampla reforma, a exemplo do Bloco A, inaugurado no final de 2018.

O valor da obra foi inicialmente orçado em R$99.538.433,94, alcançando, ao final da concorrência pública, o valor final de R$ 68.284.924,48, o que significa uma economia na licitação de R$ 31.253.508,46, ou seja, 31,39% do valor previsto. Os gabinetes dos desembargadores, câmaras e seções cíveis e criminais funcionarão, durante o período de reforma, no Edifício Lourenço Office, localizado na Avenida T-7, nº 317, Setor Oeste. Segundo o diretor-geral do TJGO, Rodrigo Leandro da Silva, a mudança dos gabinetes para o outro prédio será previamente agendada e se iniciará a partir do dia 25 de novembro. Já os ambientes de sessão mudarão durante o recesso forense, que ocorrerá entre os dias 19 de dezembro de 2019 a 6 de janeiro de 2020.

A área construída a ser reformada é de 35.912,93 metros quadrados e abrigará os gabinetes dos desembargadores e dos juízes substitutos em segundo grau, e câmaras cíveis e criminais com suas respectivas secretarias. O local acomodará, ainda, as Diretorias Administrativas e de Recursos Humanos do Tribunal e Recursos Constitucionais, assim como o Centro de Saúde, bancos e comissões.

O projeto leva assinatura das arquitetas da Divisão de Arquitetura do TJGO, Milena Fleury de Alencastro Veiga e Liana de Oliveira Resende Floriano. Milena Fleury de Alencastro Veiga adiantou que é uma reforma que não engloba ampliação, ou seja, nenhuma área nova será construída. Segundo ela, é uma reforma com algumas demolições, a exemplo dos banheiros que serão todos reestruturados nos mesmos moldes do Bloco A. Conforme explicou, as atuais instalações não possuem fosso de ventilação o que causa transtornos aos usuários.

A arquiteta observou que vão ser retiradas todas as divisórias navais, que serão substituídas pelas divisórias piso-teto, vez que são mais modernas, mais leves e mais resistentes. “Elas têm melhor visual estético e desempenho acústico”, arrematou Liana de Oliveira Resende Floriano, lembrando também que são mais fáceis no quesito manutenção.

De igual modo serão substituídas as esquadrinhas, pois não possuem uma estanqueidade (hermético, não deixa entrar água). O prédio ganhará iluminação mais favorável nas áreas de trabalho assim como conforto térmico e acústico. De acordo com o projeto arquitetônico, as áreas dos gabinetes dos desembargadores terão montagem quadrada padronizada.

Do subsolo ao 10ª andar
O subsolo do Bloco B continuará com as vagas de estacionamento privativo e será interligado ao subsolo do Bloco A, por meio de um túnel, informou o diretor de Obras Luiz Cláudio Dias. No local funcionarão os setores de Manutenção Predial, Gráfica, Telecomunicações, Almoxarifado e Alojamento dos Militares e o Apoio às Copas.

Os reeducandos que trabalham no TJGO, motoristas e terceirizados terão copas individuais. Segundo a arquiteta, no espaço destinado aos terceirizados, constará também de sala de descanso, banheiros e box de armários com chaves. “Os terceirizados não tinham um lugar adequado para as refeições, descanso e troca de roupas”, ressaltou a arquiteta Liana de Oliveira Resende Floriano, lembrando que cada copa terá uma geladeira, microondas, mesa para refeições, armários planejados e bancada de apoio.

Assim como os demais andares do Edifício B, o subsolo terá banheiro público, estruturado para o conforto dos usuários. No térreo, serão agasalhadas as Diretorias Administrativas e de Recursos Humanos; Centro Médico; Centro Judiciários de Solução de Conflitos e Cidadania do 2º Grau (Cejusc); bancos e comissões.

O primeiro pavimento continuará dando acesso ao jardim suspenso que será todo revitalizado. “Esse local merece um olhar especial por trata-se de um espaço de convivência dos servidores”, observou a arquiteta.

Os gabinetes destinados aos desembargadores serão estruturados do 2º ao 9º pavimentos, totalizando seis por andar. Os demais serão construídos no 10º pavimento, que abrigará, ainda, a Diretoria Financeira e os gabinetes destinados aos juízes substitutos de 2º grau. Igualmente aos gabinetes dos desembargadores, estes espaços também serão padronizados, com sanitários individuais. Também funcionarão do 2º ao 9º pavimentos, uma câmara (cível ou criminal) com as respectivas secretarias. Consta ainda do projeto, a substituição dos seis elevadores. Fonte: TJGO