Para discutir a advocacia criminal e o Direito Penal, estreia nesta quinta-feira o Arena Criminal WEB

Paulo Roberto Borges é um dos âncoras do Arena Criminal WEB será um dos âncoras do programa

Marília Costa e Silva

Estreia nesta quinta-feira (1), na Rádio Mid, plataforma digital na internet, o programa Arena Criminal WEB. A programação focará em temas pertinentes à advocacia criminal de Goiás e ao Direito Penal. Também serão abordados temáticas que possibilitem o resgate das prerrogativas profissionais do advogado criminalista.

O programa foi idealizado em 2020 pelo advogado Leandro Mendanha, especialista nas áreas empresarial, digital e criminal. Ele encontrou no colega Paulo Roberto Borges o parceiro para colocar no ar o Arena Criminal Web, que amanhã estará disponível das 8 às 12 horas.

Paulo Borges é especialista na área criminal, na qual atua há mais de oito anos, tendo processos não apenas em Goiás, mas em todo o País. Ele dividirá a bancada de apresentação com Leandro Mendanha. Borges conta que a intenção é levar o Arena Criminal Web também para o Youtube e o Instagram.

Participações

No programa inaugural de amanhã, além de Paulo Borges e Leandro Mendanha, participarão os colegas Celes Carlos Ferreira Barbosa e Tiago Borges. O foco serão a prática da advocacia criminal em tempos de pandemia e dicas principalmente para os profissionais em início de carreira.

“Temos visto o cerceamento profissional do advogado criminalista, que muitas vezes é impedido de ter acesso ao seu cliente nos presídios, ainda mais durante as medidas restritivas impostas pela Covid-19”, frisa Paulo Borges, que afirma que a profissão é muito difícil e sofre preconceitos.

Ele conta que espera a participação, no programa de amanhã, dos colegas criminalistas e de estudantes que tem interesse nessa área. Isso poderá acontecer por meio de envio de opiniões e sugestões enviadas por e-mail ([email protected]). Também poderão participar se inscrevendo no Zoom.

“Esperamos dar voz aos profissionais, que tanto sofrem na labuta diária não só por falta de condições dignas de atuação nos presídios mas também pelo preconceito que tem de enfrentar. Pois muitos, erroneamente, os considera “advogado de bandido”. “O criminalista atua sempre para que se garanta o exercício do direito de defesa”, diz.