Justiça condena Vila Nova a pagar R$ 120 mil a volante Araújo, que jogou apenas cinco vezes pelo time

Marília Costa e Silva

A juíza do Trabalho Ceumara de Souza Freitas condenou o Vila Nova a pagar R$ 120 mil ao volante Araújo, que defendeu o clube em apenas cinco partidas no ano passado, sendo quatro no Campeonato Goiano e uma na Série B. O departamento jurídico colorado irá recorrer ao Tribunal Regional do Trabalho de Goiás (TRT-GO).

Araújo vai receber verbas trabalhistas

A magistrada condenou o time goiano ao pagamento de auxílio moradia em atraso (5 meses), direito de imagem em atraso (4 meses), salário de agosto, setembro, outubro e saldo de novembro de 2019 (26 dias), 13º proporcional, férias proporcionais adicionadas do terço constitucional, FGTS não recolhido com multa de 40% e a Cláusula Compensatória, que são os salários do jogador até o fim do contrato que perduraria até dezembro de 2020.

No entanto, a juíza não acatou o pedido do volante de indenização por dano moral em razão dos atrasos e o afastamento do atleta. A defesa de Araújo, a cargo do advogado Gustavo Afonso Oliveira, vai recorrer desse indeferimento também ao TRT-GO.

Araújo foi dispensado em agosto do ano passado quando o técnico era Marcelo Cabo e o atual presidente, Hugo Jorge Bravo, era diretor de futebol. Dois meses depois, em outubro, Araújo foi reintegrado juntamente com o meia Elias. No entanto, segundo o advogado, o jogador conseguiu na Justiça o direito à liberação para contratar com novo clube, o Grêmio Anápolis, onde está até hoje.