Saneago informa que já realizou obras para impedir lançamento de esgoto em propriedade rural

A Saneamento de Goiás S/A (Saneago) informa ao Rota Jurídica que já realizou obras na propriedade de Vera Pereira Siqueira para impedir o lançamento de esgoto no local. A empresa informa que diferentemente do que foi noticiado no site, a ordem judicial para realização das obras, assinada pelo juiz Sebastião José da Silva, da 2ª Vara Judicial da comarca de Pirenópolis, não é recente, mas de agosto do ano passado. E, quando a liminar foi concedida, a empresa afirma que já tinha reparado os problemas, em virtude de um processo administrativo anterior.

Sobre a decisão liminar, a Saneago afirma que o magistrado, em cognição sumária, baseou-se apenas em indícios do vazamento de esgoto ser de responsabilidade da Saneago. No entanto, conforme a empresa, o vazamento decorreu de ligações clandestinas à tubulação implantada, e a empresa estatal já reparou o problema, conforme provas carreadas ao processo judicial em questão.

Consta dos autos, que Vera é proprietária de um imóvel rural, localizado numa área urbana que confronta com o Rio das Almas, em Pirenópolis, local no qual construiu uma casa para a moradia de sua família. Segundo informações do processo, os gestores estaduais e municipais manifestaram interesse em construir uma obra de esgoto no local. Com isso, foi elaborado um projeto onde o esgoto seria próximo ao Rio das Almas, nas proximidades da residência dela, sem a necessidade de desapropriação, e nem gastos com equipamentos.

Em 2009, o juízo da comarca determinou a imissão de posse provisória a Saneago para a realização da obra. Entretanto, desde então, a edificação, que começou a ser construída naquela época, estaria abandonada, tendo sido descobertos vazamentos de esgoto e mal cheiro, ocasionando invasão de muriçocas. Além disso, o vazamento do esgoto está contaminando o solo. De acordo com o magistrado, as provas demonstradas no processo comprovariam a existência da elevatória de esgoto, o que acabou restringindo a propriedade da autora. Mas, segundo a Saneago, os problemas já foram resolvidos.