Mulher que agrediu o marido e enviou áudio ameaçando matar uma das filhas do casal perde guarda das crianças

Marília Costa e Silva

Mulher que agrediu o marido verbalmente com injúrias raciais e fisicamente com golpes de faca perdeu a guarda dos filhos devido ao descontrole emocional apresentado. A decisão é do juiz 5ª Vara de Família e Sucessões de Goiânia, Mábio Antônio Macedo, e foi tomada em ação de divórcio litigioso proposta pelo homem, que é representado na ação pelo advogado Rafael José Neves Barufi.

Nos autos, autor conta que teve de sair da residência do casal para resguardar a própria integridade física. Como prova, ele incluiu no processo boletins de ocorrência registrados na Polícia. Ele narra que a mulher nutre por ele apenas ódio e ressentimento, tendo comportamento agressivo, inclusive contra os dois filhos menores de idade, necessitando de tratamento psiquiátrico que fora abandonado por ela, o que demonstraria claramente inaptidão, ainda que temporária, para o exercício do poder familiar.

Além disso, o homem sustentou que deveria ficar com a guarda unilateral dos dois filhos menores, de 6 e 1 ano, porque tem melhores condições morais e psicológicas para dar uma criação saudável e segura a ambos. Para demonstrar o descontrole emocional da mulher, ele juntou aos autos também áudio enviado pela mulher a ele, por celular, onde ela ameaça a filha do casal. “Vou matar essa tua capeta que tu fez aqui viu, vou arrancar os cabelos dela, cortar o pescoço dela tá, porque ela não me obedece não”. Além disso, ela teria agredido o filho mais novo “imoderadamente”.

Conforme sustentado pelo autor da ação, além das agressões e ameaças à integridade física dele e das crianças, a mulher por diversas vezes afirmou que fugiria com os filhos para o Estado do Maranhão para que ficassem longe do pai. Para comprovar suas alegações, ele sugeriu que a Justiça determine a realização de um estudo psicossocial para análise a fim de demonstrar a veracidade e comprovar a alta gravidade do caso.