Docentes e alunos entram com ação para forçar retirada do significado pejorativo da palavra “professora” de buscas na internet

Alunos da PUC e o professor Clodoaldo Moreira

Recentemente, viralizou na internet a notícia apontando que a palavra “professora” está sendo sinônimo de “prostituta com quem adolescentes se iniciam na vida sexual” em buscas feitas no Google. Em virtude disso, alguns docentes e alunos do 10º período do curso de Direito da Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC) se juntaram para protocolar uma ação de obrigação de fazer no Juizado Especial Cível de Goiânia com o intuito de que a Google Brasil seja forçada a retirar o significado pejorativo nas buscas feitas na internet. Leia aqui

Conforme apontado na ação, com a viralização das imagens referentes ao significado do termo “professora” na barra de buscas do Google, as professoras brasileiras já começaram a ser motivo de piadas, chacotas e ataques pessoais em redes sociais. “Está claro que tal fato fere a imagem da mulher, que após um passado de muitas lutas, conseguiu ver seus direitos reconhecidos, não obstante ainda serem alvos de discriminação”.

Os alunos do professor Clodoaldo Moreira foi quem ajudaram na formulação da petição. São eles Bruna Cardoso dos Santos, Denise Sena de Oliveira, Isadora França Pericole, João Victor de Melo Gervasio Mendanha Perillo, Leticia Braz Pereira, Louise Xavier Arantes, Natalia Oliveira de Sousa, Renata de Jesus, Sebastião Neto e Weligton Lopes da Silveira. Os professores que assinaram a petição foram Clodoaldo Moreira dos Santos Junior, Roberto Rodrigues e Rosangela Magalhães de Almeida.

Também assinaram a petição os advogados Angela Estrela Costa, Tiago Magalhães Costa e Lucas Ferreira Pires Bueno (Vereador Lucas Kitão).