Brasil criou em janeiro 29,6 mil vagas com carteira assinada

Em janeiro o mercado formal de trabalho brasileiro gerou 29.595 empregos formais, correspondendo a um crescimento de 0,07% em relação ao estoque de empregos de dezembro de 2013. O resultado é superior ao ocorrido em janeiro de 2013, quando foram gerados 28.900, empregos sendo o sexto mês consecutivo com desempenho favorável, se comparado ao mesmo período do ano anterior.
 
O saldo de janeiro foi oriundo de 1.778.077 admissões e de 1.748.482 desligamentos, ambos representando o segundo maior resultado para o período. Nos últimos 12 meses, foram criados 1.045.848 postos de trabalho, equivalentes à expansão de 2,64% e no período de janeiro de 2011 a janeiro de 2014, um total de 4.511.820 postos de trabalho foram gerados, representando um crescimento de 10,24% sobre o estoque de dezembro de 2010.
 
As informações são do Cadastro-Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgados nesta quinta-feira (20) pelo ministro do Trabalho e Emprego, Manoel Dias. Segundo o ministro os dados revelam uma tendência positiva do mercado que vem mantendo crescimento constante nos últimos 6 meses. “Não há indicativo de que esse crescimento do emprego não se mantenha, pois essa dinâmica vem ocorrendo há vários anos. Somente no governo atual foram gerados mais de 4.5 milhões de empregos”, frisou o ministro.
 
Os dados de janeiro ressaltam a continuidade do movimento de expansão do emprego formal no país, ainda que num ritmo de crescimento menor que os anos anteriores. A expectativa, de acordo com o ministro, é que o país gere 1.4 milhão de empregos esse ano.
 
Em termos setoriais, com exceção do comércio, todos os outros setores elevaram o nível de emprego, com destaque para a Indústria de Transformação  (+ 38.516 postos ), a Construção Civil (+ 38.058 postos) e  os Serviços ( +24.681 postos).
 
No recorte geográfico, ocorreu expansão do emprego na região Sul, com geração de 39.892 postos (+0,54%), com destaque para Santa Catarina que gerou 18.317 postos (0,92%) e a região Centro-Oeste que criou 15.480 postos de trabalho um crescimento de 0,49%. Nas outras regiões houve queda na geração de postos de trabalho.
 
Interior gera mais emprego – No interior das áreas metropolitanas, o emprego cresceu 0,19%, gerando 27.202 postos de trabalho, resultado mais favorável que o registrado para o conjunto das Áreas Metropolitanas, que registrou queda de 0,12%, com perda de 19.913 postos de trabalho, sendo essa queda mais expressiva no Rio de Janeiro (-17.470 postos ou -0,60%). Porém, Curitiba (+3.430), Belo Horizonte (+2.279) e Salvador (+1.769) tiveram resultados positivos no mês.