Anjo da Guarda precisa de padrinhos para modalidade prestador de serviços

O Programa Anjo da Guarda está precisando de pessoas interessadas em serem voluntários na modalidade de Apadrinhamento Prestador de Serviço em benefício das crianças e adolescentes acolhidos nas instituições credenciadas ao programa.

Existem três formas de colaborar no programa e uma delas é o padrinho prestador de serviços, que se cadastra no juizado para atender crianças e adolescentes que participam do programa por meio da prestação de serviços como consultas médicas, atendimento odontológico, aulas de reforço escolar, dentre outros.

Os interessados devem possuir conhecimento em uma das seguintes áreas profissionais: pedagogia, música, arteterapia, psicologia, psicopedagogia, psicomotricidade, medicina, odontologia, agronomia, dança e educação física, cozinha, terapia ocupacional, fonoaudiologia, entre outras. Mais informações podem ser adquiridas pelo telefone 3236 – 2721 ou pelo e-mail  [email protected].

Conheça o programa
Idealizado pelo juiz Maurício Porfírio Rosa, o programa tem o objetivo de promover a convivência familiar e comunitária de crianças e adolescentes que vivem instituições de acolhimento em Goiânia, com idade entre 5 e 17 anos. Busca também sensibilizar a sociedade para incentivar o apadrinhamento das crianças.

O padrinho afetivo assegura o desenvolvimento afetivo, escolar e profissional do afilhado. O padrinho passa por triagem e entrevistas com assistentes sociais do juizado e, se for selecionado, define seus horários de visita e tempo de permanência com a criança ou adolescente.

Há também o padrinho provedor, que possibilita suporte material ou financeiro à criança e ao adolescente com a doação de objetos escolares, roupas, calçados, brinquedos ou o pagamento de cursos profissionalizantes, aulas de esportes ou qualquer contribuição nesse sentido.

Desde o seu início em 2003, o Anjo da Guarda proporcionou a adoção de 39 crianças e adolescentes nesta faixa etária. Anualmente, está com outras 35 crianças estão com famílias substitutas, por meio de guarda. Destas, 12 já estão com pedido de adoção em tramitação. Fonte: TJGO