TRT-GO dá dicas de como identificar e-mails falsos envolvendo o tribunal

Publicidade

Você já recebeu uma mensagem de e-mail na qual o Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região (GO) faz uma “notificação judicial em processo trabalhista” ou “processo judicial eletrônico”? Cuidado! Pessoas mal intencionadas podem estar tentando acessar suas informações pessoais. O número de vítimas que recebem esse tipo de mensagem é cada vez maior.

As mensagens falsas são elaboradas por criminosos que usam a tecnologia para enganar vítimas e aplicar golpes e fraudes. Essas mensagens são conhecidas como “phishing scam”. A palavra phishing vem de uma analogia com o termo fishing, que significa pescaria em inglês. Elas funcionam como iscas para “pescar” senhas e outros dados do usuário, sobretudo informações bancárias. Geralmente, as mensagens sugerem que é preciso baixar um arquivo ou clicar em algum link. Se a vítima seguir a orientação do e-mail, ela poderá infectar o computador involuntariamente com programas maliciosos ou ser direcionada para páginas falsas (com nome e aparência semelhantes às verdadeiras) onde os dados poderão ser capturados.

A Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicação do TRT-18 dá as seguintes orientações, que valem para qualquer e-mail que você receber:

-Nunca clique em qualquer link, imagem ou arquivo anexo se você não tiver certeza e confiança no remetente da mensagem;
-Desconfie de mensagens com erros de português, texto excessivamente informal, promessa de algum tipo de ganho ou, ao contrário, ameaça de prejuízo caso o link contido no texto não seja acessado;
-Preste atenção na conta e não apenas no nome do remetente da mensagem. Passe o cursor do mouse sobre o remetente para ver o nome da conta pela qual ela foi enviada. Muitas vezes os fraudadores usam contas de e-mail parecidas com contas legítimas, trocando letras ou adicionando prefixos ou sufixos. As contas provenientes do TRT-18 terminam sempre com @trt18.jus.br;

Para reforçar a segurança, no caso específico de e-mails supostamente enviados pelo TRT-18, siga os seguintes passos:

  • Se a sua conta de e-mail é do Gmail: 

Na mensagem aberta (novamente, cuidado para não clicar em links, imagens e anexos), clique na setinha logo abaixo do nome do remetente e ao lado do destinatário (“para mim”):

Confira se os campos “enviado por”, “assinado por” e “Segurança” estão como na imagem abaixo:

 

  • Se a sua conta de e-mail é do Hotmail (atualmente outlook):

Clique nos 3 pontinhos localizados no canto superior direito da página, e em seguida no item de menu Exibir para Mostrar na leitura avançada

 

Procure na janela que será aberta o texto “Authentication-Results”

Verifique se constam os textos: “spf=pass (sender IP is xxx.xx.xx.xx) smtp.mailfrom=trt18.jus.br” e “dkim=pass (signature was verified)  header.d=trt18.jus.br”,  conforme figura abaixo:

  • Se a sua conta de e-mail é do Yahoo:

Clique nos 3 pontinhos localizados no canto superior direito da página, e em seguida no item de menu “Visualizar mensagem bruta”

Procure na janela que será aberta o texto “Authentication-Results”. Verifique se constam os textos: dkim=pass header.i=trt18.jus.br e  spf=pass smtp.mailfrom=trt18.jus.br, conforme figura abaixo:

  • Para os demais  provedores de e-mail, o processo é semelhante ao exposto acima.

Verifique se o link contido na mensagem realmente aponta para o local que deveria. Ao pousar o cursor do mouse sobre o link (sem clicar), será exibido o endereço apontado pelo link. Observe se o endereço faz parte do domínio legítimo. No caso do TRT-18, qualquer endereço deve terminar com .trt18.jus.br, podendo ser seguido pelo símbolo de / e outro nome qualquer. Links para páginas ou sistemas do TRT18 têm o formato: https://www.trt18.jus.br/nome-da-pagina ou https://nome-do-sistema.trt18.jus.br/nome-da-pagina.

Exemplos de links legítimos do TRT-18 (observe que o domínio, que é a parte final antes da primeira barra, é trt18.jus.br) 

Exemplo de link falso, que tenta enganar o usuário (observe que o domínio, que é a parte final antes da primeira barra, é  vejaseuprocesso.com, e não trt18.jus.br)

  1. Mantenha um programa antivírus atualizado instalado no seu computador.

Outra  verificação que pode ser feita, como um fator adicional de verificação da procedência da mensagem, é conferir se o número do processo informado no e-mail é, de fato, o número do seu processo na Justiça do Trabalho. Se você não tem o número do seu processo, procure essa informação com seu advogado ou consulte o número do processo informado no site do TRT-18 (www.trt18.jus.br). É importante frisar que a mera  presença do número correto não é garantia de autenticidade da mensagem, uma vez que golpistas monitoram processos que as pessoas possuem nos Tribunais e podem utilizá-los para dar uma aparência de veracidade às mensagens. 

Todas as dicas anteriores devem ser utilizadas conjuntamente para aumentar a segurança.

Em caso de dúvida se o e-mail ou a solicitação é real ou não, entre em contato diretamente com o tribunal usando os contatos disponíveis tanto pelo endereço de e-mail [email protected]  ou pelo telefone (62) 3222-5000. Fonte: TRT-GO