Presos de Anápolis são ouvidos pela Justiça por meio de viodeconferência

Ao todo, sete audiências foram feitas no Presídio Estadual de Anápolis

Presos de Anápolis foram ouvidos pela Justiça por meio de videoconferência. A novidade foi possível porque nesta quarta-feira (12) a Diretoria-Geral de Administração Penitenciária (Dgap) realizou as primeiras sessões da história do sistema prisional goiano usando a tecnologia. Ao todo, sete audiências foram feitas no Presídio Estadual de Anápolis, unidade pertencente à 9ª Regional Prisional da instituição. A ação faz parte do Programa de Videoconferências/Teleconferências para Audiências Judiciais de Custodiados, desenvolvido pela Dgap.

O gerente da Getic, Maruzan Monteiro, idealizador do programa, ressalta que a introdução das videoconferências para execução das audiências em presídios gera economicidade ao Estado e maior aporte à segurança para os presos, para os servidores do sistema prisional e para a sociedade, a partir da substituição do modelo de escolta dos custodiados às localidades onde são realizadas as audiências.

“A tecnologia vai garantir economia de recursos financeiros com o fim do deslocamento de presos para as audiências judiciais, treinamentos e vistorias”, afirma Monteiro. “O programa vai contribuir também com a segurança do sistema penitenciário, além de evitar o gasto de tempo de servidores do Executivo e Judiciário”, garante.

O Programa de Videoconferências/Telepresenças para Audiências Judiciais de Custodiados deverá ser implantado de forma customizada em cada uma das unidades prisionais do Estado. “A solução permite aos usuários criar salas virtuais de videoconferência, compartilhar vídeos e dados”, salienta Monteiro.

O diretor-geral de Administração Penitenciária, coronel Wellington Urzêda, afirma que a implantação do programa vai ao encontro das diretrizes de política penitenciária idealizadas pelo Governo de Goiás. “Por determinação do senhor governador Ronaldo Caiado, a administração penitenciária iniciou tratativas necessárias com o Poder Judiciário e Ministério Público do Estado para que, em parceria, possamos fazer as audiências dentro dos presídios, em todas as regionais da Dgap”, garante Urzêda.

Para o diretor do Presídio de Anápolis, David Ferreira, a videoconferência em audiências “vai contribuir para maximizar os recursos do Estado”. “Ao mesmo tempo, o programa trabalha na redução dos riscos com o recambiamento de presos de alta periculosidade”, conclui Ferreira.

O Governo de Goiás, dentro de uma visão de desenvolvimento com responsabilidade, vem intensificando seus esforços no sentido de fortalecer as ações de segurança pública, por meio da utilização da tecnologia e telecomunicação como ferramentas de combate e prevenção à criminalidade.