No dia da mentira, CNJ e tribunais lançam campanha contra fake news

No dia da mentira, lembrado neste 1º de abril, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) lança uma campanha na internet para combater as notícias falsas (fake news), com a hashtag #FakeNewsPerigoReal, depois de o Poder Judiciário ser alvo, nos últimos meses, de uma série de críticas incluindo informações falsas disseminadas pelas redes sociais.

A campanha vem com a hashtag #FakeNewsPerigoReal

O tema tem suscitado incômodo no presidente do CNJ e do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, que, no mês passado, determinou a abertura de um inquérito, a ser conduzido pelo ministro Alexandre de Moraes, para apurar ameaças e a disseminação de informações falsas sobre a Corte.

Além da campanha online, CNJ e STF preveem parcerias com agências de checagem de fatos para desfazer rapidamente boatos sobre o Judiciário. Na internet, serão veiculadas peças sobre o perigo causado por notícias falsas, como, por exemplo, o caso de uma mulher que morreu espancada no Guarujá (SP) após ser erroneamente acusada de praticar magia negra em crianças.

Twitaço

Além dessa campanha do CNJ e STF, os 24 Tribunais Regionais do Trabalho, incluindo o TRT18 (Goiás), promoveram ao longo desta segunda-feira, na rede social Twitter, um twitaço contra as fake news sobre a Justiça do Trabalho. A decisão foi tomada durante a última reunião do Colégio de Presidentes e Corregedores dos Tribunais Regionais do Trabalho (Coleprecor), em Brasília.

O objetivo do Twitaço, segundo o presidente do TRT18, desembargador Paulo Pimenta, é dar visibilidade aos danos causados pelas notícias falsas, explicar a importância da Justiça do Trabalho para a sociedade e contestar as campanhas difamatórias que ela vem sofrendo. Veja os twites do TRT-GO aqui

Além de curtir e retwitar as postagens que partirão dos perfis oficiais, magistrados, servidores, advogados e partes poderão postar mensagens pessoais sobre a temática. As postagens devem seguir a seguinte lógica: uma frase crítica sobre a Justiça do Trabalho + hashtags #meDisseram e #éFake.

Foram oferecidas várias sugestões para as mensagens sobre a Justiça do Trabalho:

#meDisseram que as leis trabalhistas estão ultrapassadas. #éFake. A legislação trabalhista é a que mais acompanha as mudanças sociais. Dos 510 artigos que compõem a parte de Direito Individual da CLT, apenas 75 permanecem com a redação original. #FakeNewsNão #AquitemJustiça

#meDisseram que a legislação trabalhista é caduca.#éFake. Constantemente o Tribunal Superior do Trabalho e os Tribunais Regionais emitem súmulas tratando de temas novos como o Teletrabalho. #FakeNewsNão #AquitemJustiça

#meDisseram que a Justiça do Trabalho é mais cara que a Justiça comum. #éFake. Enquanto a Justiça comum representou 57,4% do orçamento, em 2017, a Justiça do Trabalho representou 20,1%. #FakeNewsNão #AquitemJustiça

#meDisseram que a Justiça do Trabalho só existe no Brasil. #éFake. Na Espanha há salas (juizados) especializadas em Direito Social, para tratar de Direito do Trabalho e Previdênciário. Olé! #FakeNewsNão #AquitemJustiça

#meDisseram que só em países subdesenvolvidos existe Justiça do Trabalho. #éFake. A Alemanha possui cortes de primeira e segunda instâncias e o Tribunal Federal do Trabalho, paralelo ao nosso Tribunal Superior do Trabalho. #FakeNewsNão #AquitemJustiça