Até romaria virtual do Divino Pai Eterno em Trindade é cancelada por recomendação do MP

Acolhendo recomendação feita pelo Ministério Público de Goiás (MP-GO), foi cancelada a Romaria e Festa do Divino Pai Eterno 2020, em Trindade, marcada para o período de 26 de junho a 5 de julho, e que, neste ano, em razão da pandemia do coronavírus, seria realizada de forma remota, apenas por meios virtuais (com transmissão de celebrações pela TV e redes sociais). O ofício informando o cancelamento da festividade virtual foi enviado no dia 25, pelo reitor do Santuário Basílica do Divino Pai Eterno, padre Robson de Oliveira Pereira, ao promotor de Justiça Francisco Bandeira de Carvalho Melo, titular da 2ª Promotoria de Trindade.

Na recomendação encaminhada no dia 22 ao reitor da Basílica e ao prefeito de Trindade, Jânio Darrot, o integrante do MP-GO orientou o cancelamento da programação da romaria, ainda que ela fosse realizada somente pelos meios de comunicação e sem a presença de romeiros, diante do risco que a manutenção da festividade poderia atrair milhares de fiéis ansiosos em demonstrar a fé presencialmente, causando aglomerações pela cidade.

Esse risco, lembrou o promotor, foi ressaltado pelo próprio prefeito, em sua participação numa transmissão ao vivo (live) com o governador Ronaldo Caiado no dia 18 de maio. Na ocasião, conforme citado na recomendação, Jânio Darrot afirmou que seria feita uma campanha para as pessoas não irem à cidade, mas, ainda assim, estimava que cerca de 5% insistiriam em visitar Trindade, o que representaria de 100 mil a 150 mil pessoas.

Outras festas
Francisco Bandeira de Melo reforçou que o próprio governador defendia mudar a data da romaria, mesmo com o anúncio de missas virtuais. Observou que diversas outras festas religiosas no Estado foram canceladas por conta da pandemia da Covid-19, a exemplo da Festa do Divino Espírito Santo, em Pirenópolis, e a Procissão do Fogaréu, em Goiás. E lembrou que o Decreto Estadual nº 9.653/2020 mantém a proibição de todos os eventos, públicos e privados, de qualquer natureza, que ensejam aglomerações.

Na resposta ao MP, padre Robson pontuou que, apesar de toda a programação virtual preparada para a festividade e dos cuidados que seriam tomados, decidiu-se pelo cancelamento da romaria e da festa, “buscando cumprir com o nosso dever de zelar pela segurança, saúde e bem-estar dos romeiros e da população de modo geral”. Fonte: MP-GO