A advocacia tem de dialogar e agir com moderação, afirma presidente da OAB-GO

Lúcio Flávio diz que a OAB é contra a PEC

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) – Seção Goiás, Lúcio Flávio Siqueira de Paiva, assegurou que a entidade tem como função essencial promover a pacificação da nação brasileira. A afirmação foi feita na noite desta quinta-feira (8), durante sessão especial em homenagem ao Dia do Advogado, promovida na Assembleia Legislativa pelo deputado Delegado Eduardo Prado.

“Esse momento é sempre muito importante para nós, profissionais, porque temos a oportunidade para mostrar à sociedade a importância da nossa profissão. Tenho a honra de já estar no primeiro ano do meu segundo mandato à frente da OAB. Sempre destaquei a importância da advocacia, sua história e tradição, as qualidades que o profissional deve ter”, declarou Lúcio Flávio durante a homenagem na qual dezenas de profissionais da advocacia foram homenageados.

Lúcio Flávio ainda propôs uma reflexão aos homenageados. “O momento que vivemos no Brasil já exige muito da Ordem dos Advogados e da advocacia brasileira, e seremos cada vez mais cobrados a nos posicionar sobre o que temos visto acontecer no País, não só nos meses recentes, mas nos dias recentes”, apontou.

Ao esclarecer, se referiu ao fato de que, há cerca de dez dias, a OAB foi tragada e colocada no centro do debate político do Brasil por uma declaração “extremamente infeliz do presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL), que, de maneira irônica e com desdém, se referiu ao que aconteceu com o pai do atual presidente da Ordem, Felipe Santa Cruz, quanto ao seu desaparecimento no regime militar”.

Lúcio Flávio disse, ainda, que essa fala infeliz acabou por colocar mais lenha em uma fogueira que já está muito grande, colocando a OAB, mais do que nunca, no centro do debate político no país. “Não temos o diálogo essencial à formação dos consensos democráticos, mas sim uma guerra ideológica, com extremos à esquerda e à direita, que querem fazer prevalecer sua visão de mundo. E os maiores interesses da nação brasileira ficam em segundo plano. Uma guerra que não tem vencedores, mas um inexorável perdedor: a República Federativa do Brasil”, defendeu.

Por fim, o presidente da OAB Goiás disse ainda que a ordem tem que cumprir uma função essencial: promover a pacificação da nação brasileira. “E para isso, precisamos, em geral, ter moderação. Essa é a palavra de ordem a partir de agora a toda advocacia brasileira. Precisamos trazer a palavra de moderação no momento em que ninguém está disposto a dialogar”, reforçou Lúcio Flávio.