TJGO institui condições especiais de trabalho para magistrados e servidores com deficiência

O Órgão Especial do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás (TJGO) aprovou, em 24 de fevereiro, a Resolução nº 139. Ela institui condições especiais de trabalho de magistrados e servidores com deficiência ou doença grave, bem como os que tenham cônjuges, companheiros, filhos ou dependentes legais em igual situação.

O mesmo ato cria, no âmbito do Judiciário goiano, a campanha “Setembro Verde”. Ela será desenvolvida anualmente em alusão ao Dia Nacional da Luta da Pessoa com Deficiência, instituído pela Lei nº 11.133/2005 e comemorado no dia 21 de setembro.

Ao assinar a resolução, os integrantes do Órgão Especial levaram em consideração vários dispositivos, como o princípio da proteção integral à pessoa com deficiência, previsto na Constituição Federa l; Resolução nº 343/2020, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) que trata da matéria; e a Resolução do TJGO nº 131/2020 que, em seu artigo 10, estabelece que o teletrabalho, integral ou parcial, será permitido a todos os servidores que cumprirem os requisitos, inclusive fora da sede de jurisdição do Tribunal, no interesse da Administração e que, verificada a adequação de perfil, terão prioridade servidores com deficiência e que tenham filhos, cônjuge ou dependentes com deficiência atestada pela Junta Médica Oficial do Poder Judiciário goiano, entre outros.

Sem ônus para o Judiciário

A resolução observa que a condição especial de trabalho de magistrados e de servidores, em nenhuma hipótese, implicará ônus financeiro para o Poder Judiciário goiano. Ela poderá ser requerida em uma das modalidades previstas no documento, com o exercício da designação provisória para a atividade no regime de trabalho remoto, sem o acréscimo de produtividade previsto na Resolução CNJ 227/2016, ou em exercício da atividade em regime de teletrabalho, também sem o acréscimo de produtividade de que trata a Resolução TJGO nº 131/2020.

Os magistrados e os servidores nestas condições especiais poderão requerer, diretamente ao presidente do TJGO, a concessão de condição especial de trabalho em uma ou mais das modalidades previstas no art. 2º desta resolução, “independentemente de compensação laborar posterior e sem prejuízo da remuneração”. A condição especial de trabalho será revista em caso de alteração da situação fática que a motivou, mediante avaliação da Junta Médica do Poder Judiciário de Goiás, facultada, caso necessário, a solicitação de cooperação de profissional vinculado a outra instituição pública. Fonte: TJGO

Leia mais

CNJ garante condições especiais de trabalho a servidores e magistrados com deficiência

Estado de Goiás é obrigado a acolher pedidos de aposentadoria especial de servidores com deficiência

Governador veta redução de jornada de trabalho de servidores ou daqueles que têm dependentes com deficiência

Deputado quer garantir jornada de trabalho reduzida aos servidores com deficiência