Justiça desbloqueia contas do Ingoh, investigado por fraudes em tratamentos de quimioterapia

As contas do Instituto Goiano de Oncologia e Hematologia (Ingoh) foram desbloqueadas pela Justiça. A clínica teve os recursos bloqueados no dia 13 passado, um dia após a deflagração, pela Polícia Civil, da Operação Metástase, que investiga fraudes em tratamento de quimioterapia envolvendo diretores do Ingoh e ex-diretores do Instituto de Assistência dos Servidores Públicos do Estados de Goiás (Ipasgo).

O desbloqueio foi determinado pela juíza Placidina Pires, da Vara dos Feitos Relativos a Organização Criminosa e Lavagem de Capitais, a mesma que concedeu os mandados de busca e apreensão e o bloqueio dos valores de R$ 50 milhões em bens das 14 pessoas físicas e 30 jurídicas investigadas no caso. Ela entendeu que os responsáveis pelo Ingoh ofereceram caução de imóveis em valor superior ao pleiteado pela Polícia Civil para eventual reparação de danos.

No dia da deflagração da operação, foram apreendidas aeronaves, carros de luxo e obras de arte. Conforme apontado, havia uma estrutura típica de organização criminosa, com a nítida divisão de tarefas direcionadas à estruturação e consecução de um esquema grandioso e fraudulento de desvios milionários de recursos da instituição pública.