Juíza converte em preventiva prisão em flagrante de acusados de matar advogado em Goiânia

A juíza Ana Cláudia Veloso Magalhães converteu em preventivas as prisões em flagrante de Pedro Henrique de Souza Amaro, Kayo Gomes dos Santos e Rhalster Lucas Oliveira da Silva. Eles são acusados de matar o advogado criminalista Thiago Souza Mendes, de 27 anos, no Setor Cidade Jardim, em Goiânia, na noite do último sábado (18). Os três foram presos cerca de 48 horas depois após investigação feita por uma força-farefa com aproximadamente 40 policiais civis, com apoio da Força Nacional. Um menor também foi apreendido por participação no caso.

Para a magistrada, a manutenção da prisão é medida imprescindível. “A necessidade da custódia preventiva é notória e, ademais, encontram-se satisfeitos nos autos os pressupostos que lhe outorgam legalidade e legitimidade”, frisou na decisão, alegando ainda que nenhum deles comprovou atividade laboral licita e residência fixa.

O criminalista foi morto a tiros quando entrava em seu carro após sair de um restaurante acompanhado da mulher. O autor dos disparos foi Pedro Henrique de Souza Amaro. Segundo informações da Polícia Civil, ele teria tido um desentendimento com a vítima em razão da contratação de serviços advocatícios. Conforme apontado, ele teria se sentido humilhado pela vítima. Além disso, recentemente, o autor teria afirmado que ficou sabendo que uma ex-namorada o traiu com o advogado. Por isso, o jovem teria resolvido executar o profissional com o auxílio de um menor de idade.

Já Kayo Gomes dos Santos e Rhalster Lucas Oliveira da Silva foram apontados pela autoridade policial como sendo responsáveis por guardar o carro e arma usados no crime.

Processo 5355567.72.2020.8.09.0051