STJ confirma que hacker bloqueou acesso a dados do tribunal, mas que processos estão preservadas em backup

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) confirmou nesta quinta-feira (5) que o hacker que realizou um ataque cibernético ao sistema de informática do órgão conseguiu criptografar e bloquear o acesso aos dados do tribunal. No entanto, as informações sobre os processos judiciais, contas de e-mail e contratos administrativos permanecem íntegras e estão preservadas em um backup.

O site do órgão continua fora do ar. Os prazos processuais estão suspensos até segunda-feira (9). As demandas que importem em perecimento de direito (demandas urgentes, como liminares em habeas corpus) estarão centralizadas na presidência do STJ por igual prazo. As petições podem ser encaminhadas ao e-mail [email protected].

Ataque cibernético

Na terça-feira (3), os sistemas do STJ foram alvo de um ataque cibernético, e a transmissão das sessões de seis colegiados foi interrompida. Por medida de segurança, os julgamentos virtuais e os prazos processuais foram suspensos até segunda-feira (9). Os ministros e servidores foram alertados para não utilizarem computadores pessoais ligados ao sistema do tribunal.

Em nota, o presidente do tribunal, ministro Humberto Martins, informou que o setor de tecnologia do STJ está trabalhando para recuperar o sistema. O Centro de Defesa Cibernética do Exército está ajudando no trabalho.

A Polícia Federal (PF) abriu inquérito para investigar o caso. A investigação foi aberta a pedido de Martins e do ministro da Justiça e Segurança Pública, André Mendonça.

Bolsonaro
Durante uma transmissão nas redes sociais, o presidente Jair Bolsonaro disse ontem que a PF identificou o autor do ataque ao STJ.

“A Polícia Federal entrou em ação imediatamente. Tive a informação do diretor-geral da PF, Rolando Alexandre, e ele foi elogiado pelo presidente do STJ no que ele conseguiu até agora. Já descobriram quem é o hackeador. O cara hackeou e não conseguiu ficar duas horas escondido”, disse o presidente.