STF nega liberdade ao médium João de Deus, que hoje passou pela Junta Médica do TJGO

A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) negou habeas corpus ao médium João de Deus, de 78 anos. O caso foi julgado pelo Plenário Virtual e durou oito dias. O relator do processo foi o ministro Ricardo Lewandowski.

João de Deus está preso desde dezembro do ano passado, após ter sido acusado de diversos crimes sexuais enquanto fazia atendimentos como médium em Abadiânia. Ele é réu em nove ações por crimes contra a dignidade sexual e em mais duas ações por posse ilegal de armas de fogo e munições.

A defesa de João de Deus argumentava que ele não representa riscos ao processo, além de ser portador de doença grave. Os advogados requereram medidas cautelares diversas da prisão, como tornozeleira eletrônica e fiança, ou prisão domiciliar – todos os pedidos foram rejeitados.

Nesta segunda-feira (26), João de Deus passou por exames psiquiátrico e clínico na Junta Médica Oficial do Tribunal de Justiça de Goiás, no Setor Urias Magalhães, em Goiânia. A previsão é que os laudos fiquem prontos em 15 dias.

Esta é segunda vez, em três dias, que deixa o presídio para realizar exames. Na última sexta-feira, quando o STF concluiu o julgamento do seu caso, ele passou por uma tomografia computadorizada no Hospital São Silvestre, em Aparecida de Goiânia.