Promotora pede destituição dos administradores do Grupo Borges Landeiro; defesa ainda não foi intimada

A promotora de Justiça Lívia Augusta Gomes Machado pediu ao juízo da 8ª Vara Cível de Goiânia destituição de Dejair José Borges, Camila Landeiro Borges, Elias Morais Borges e Rodolfo Macedo Montenegro da administração do Grupo Borges Landeiro, que está em recuperação judicial. Também foi pedido o sequestro de bens móveis e imóveis que compõem o acervo das sociedades empresariais do grupo.

O advogado Roberto Serra informou ao Rota Jurídic que a defesa ainda não foi intimada para se pronunciar sobre os pedidos do MP divulgados para a imprensa na manhã de hoje, referentes ao processo de recuperação judicial da empresa. Quando intimada e cientificada da petição do MP, diz, irá se manifestar no feito, refutando os pontos trazidos na peça ministerial.

O Grupo Borges Landeiro foi alvo da Operação Máfia das Falências, desencadeada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado do MP-GO (Gaeco) em novembro do ano passado. Na ocasião, foram cumpridos 7 mandados de prisão preventiva, 6 de prisão temporária, 26 de busca e apreensão, e 26 ordens/mandados de sequestro de bens, inclusive de várias propriedades rurais. Na ocasião, também foram também bloqueados bens dos investigados até o montante de R$ 500 milhões.

Em janeiro deste ano, a Vara dos Feitos Relativos a Delitos praticados por Organização Criminosa e de Lavagem ou Ocultação de Bens, Direitos e Valores da comarca de Goiânia recebeu a denúncia oferecida pelo Gaeco na ação penal.