Força-tarefa criada dentro da Delegacia de Homicídios investiga assassinato de advogados

Marcus Aprígio Chaves, de 41 anos, e Frank Alessandro Carvalhaes de Assis, de 47

A Secretaria de Segurança Pública de Goiás criou uma força-tarefa dentro da Delegacia Estadual de Investigações de Homicídios (DIH), com apoio das inteligências das forças policiais (Polícia Civil e Militar), para elucidação dos assassinatos dos advogados Frank Alessandro Carvalhaes de Assis (47) e Marcus Aprigio Chaves (41) e identificação dos autores. Os dois atuavam na área cível.

O crime aconteceu nesta quarta-feira (28), por volta das 14h30, no escritório em que atuavam, na Rua 9-A, no Setor Aeroporto, em Goiânia. Uma testemunha teria contado que há alguns dias uma pessoa ligou para marcar uma reunião com um dos advogados, que não teve horário disponível. Ontem, dois homens chegarem ao escritório, mencionaram a chamada telefônica anterior e apesar de não terem agendado o encontro, entraram e esperaram.

O comportamento deles foi relatado  como sendo tranquilo desde que chegaram em um veículo branco. Os dois homens não usavam máscaras de proteção facial, mas não existem câmeras de monitoramento no interior do escritório. Depois de levados a sala de atendimento, onde Frank já estaria trabalhando, um deles teria pedido dinheiro. Marcus teria entregue R$ 2 mil, mas os bandidos ordenaram que ficassem de costas e atiraram nos dois. O caso aconteceu por volta das 14h35.

A polícia procura agora imagens de câmeras de segurança dos estabelecimentos comerciais vizinhos ao escritório, onde além dos dois profissionais, trabalhavam outros advogados. Frank e Marcus atuavam na área cível. Marcus é filho do desembargador do Tribunal de Justiça de Goiás, e ex-presidente do TJGO, Leobino Valente Chaves. Já Frank é filho do delegado aposentado Francisco Assis.

Apuração célere

A Ordem dos Advogados do Brasil – Seção Goiás foi informada do assassinato durante a sessão do Conselho Seccional que ontem escolheu os seis advogados para integrarem a lista sêxtupla do quinto constitucional da advocacia para o cargo de desembargador do Tribunal de Justiça de Goiás.

Imediatamente, designou o seu vice-presidente, Thales José Jaime, e mais dois representantes da Comissão de Direitos e Prerrogativas para irem ao local do crime. Em nota, a entidade manifestou inconformismo com a morte dos advogados e repudiou à crescente escalada de violência contra a advocacia. “Cobramos das autoridades competentes célere elucidação, para que os responsáveis sejam levados às barras da Justiça e exemplarmente punidos”, declarou a OAB-GO.