Contas de 2019 da OAB-GO são aprovadas com louvor pelo Conselho Seccional

O Conselho Seccional da Ordem dos Advogados do Brasil – Seção Goiás (OAB-GO) aprovou, durante sessão virtual realizada nessa quarta-feira (15), com louvor, a prestação de contas da instituição referente ao exercício 2019. O voto do relator, o conselheiro Rubens Fernando Mendes de Campos foi acompanhado pela maioria dos conselheiros.

O relator destacou o aumento da liquidez corrente e geral da instituição. “A OAB-GO tem mais ativo para pagar suas obrigações hoje, na comparação com cinco anos atrás. A receita orçada foi superada pela receita efetiva. Em 2015, tínhamos 48 centavos de patrimônio para cada R$ 1,00 (um real) de dívida. Hoje temos R$ 1,71 de patrimônio para adimplir as obrigações”, destacou. Rubens Fernando afirmou ainda que a instituição opera no azul. “Migramos de uma situação de insolvência para ser altamente viável economicamente hoje”, avaliou.

O presidente da Comissão de Orçamento e Contas, Maurício Lima, por sua vez, afirmou que os dados foram acompanhados e analisados, por meio da conta razão, atestando que a Seccional tomou as melhores práticas contábeis e financeiras na entidade.

O presidente da OAB-GO, Lúcio Flávio de Paiva, ressalta que a aprovação com louvor das contas de 2019 reflete o compromisso da gestão com a boa governança. “Aliar responsabilidade fiscal com investimentos justos e necessários sempre foram a tônica da nossa estratégia de trabalho”. “Esta gestão demonstra que está no caminho certo e correspondendo aos anseios da advocacia”, completou.

Relatório

O diretor-tesoureiro da OAB-GO, Roberto Serra da Silva Maia, lembrou que as receitas básicas da OAB-GO são oriundas das anuidades que os advogados e estagiários pagam apenas uma vez ao ano, das quais somente 65% são direcionadas à Seccional para administração, manutenção e investimentos, sendo o restante, direcionado ao Conselho Federal, ao Fundo Cultural, ao Fida, e à Casag, pois se tratam de repasses obrigatórios.

Roberto Serra da Silva Maia destacou ainda que o excessivo cuidado da Diretoria no tratamento das finanças e de bem informar à advocacia acerca da gestão da OAB é tamanho, que, todo ano, desde o início da gestão, a Controladoria do CFOAB e auditores independentes são chamados para auditarem as nossas contas, com a devida aprovação. Fonte: OAB-GO