Após acordo, massa falida da Encol começa a pagar créditos trabalhistas

Mais de R$ 12 milhões foram pagos pela Massa Falida da Encol a credores trabalhistas só neste ano.  A informação é do síndico da Massa Falida, advogado Miguel Ângelo Cançado.

O pagamento é feito aos credores trabalhistas, cujos créditos são classificados no Quadro Geral de Credores como preferenciais. Os valores pagos são aqueles considerados incontroversos, sobre os quais não há qualquer tipo de discussão, corrigidos pelo indexador TR.

De Junho até Setembro deste ano, foram pagos R$ 12.823.235,57 (Doze milhões, oitocentos e vinte e três mil, duzentos e trinta e cinco reais e cinqüenta e sete centavos) a 578 credores trabalhistas.

Entre os que já receberam, estão 87 credores que haviam formalizado acordo com a Massa Falida durante a Semana de Conciliação realizada, realizada no último mês de maio, em parceria com o Centro Judiciário de Métodos Consensuais de Soluções de Conflitos do Tribunal de Justiça. Por estes acordos foi possível o pagamento de mais de R$ 5 milhões.

Todos os pagamentos são feitos com a anuência do juiz Jerônymo Pedro Villas Boas, titular da 11ª Vara Cível, que preside o processo de falência da Encol, e que já está autorizando a liberação dos valores depositados pela Massa Falida.

Falência

A Encol S/A foi uma das maiores empresas brasileiras no setor da construção civil. Foi fundada em 1961. Sua falência foi decretada em março de 1999. Ao falir, deixou mais de 23 mil funcionários e cerca de 40 mil famílias de mutuários em todo o Brasil.

Em setembro do ano passado, o advogado Miguel Cançado foi nomeado síndico da Massa Falida da Encol. Dois meses depois, em novembro, o juiz da Vara de Falências em Goiânia aprovou um cronograma apresentado para finalizar o processo, que já dura 20 anos, o mais rapidamente. Na programação, constou a realização da Semana de Conciliação, com o objetivo de pagar o maior número possível de credores.