Servidor do TRE de Goiás assume novamente presidência do Sinjufego

O servidor do Tribunal Regional Eleitoral de Goiás (TER), João Batista Moraes Vieira, assume novamente a presidência do Sindicato dos Servidores do Poder Judiciário Federal no Estado de Goiás (Sinjufego) para o biênio 2019/2021. Ele já esteve à frente do sindicato entre os anos de 2010 e 2015 e, atualmente, integrava a diretoria. A solenidade de posse oficial da nova diretoria será realizada neste sexta-feira (20/09), às 20 horas, na sede da entidade – Rua 115, Setor Sul, em Goiânia.

João Batista Moraes Vieira.

João Batista conta que, desde que tomou posse como servidor do TRE-GO, em maio de 2005, filiou-se ao sindicato, que teve papel importante na luta pela aprovação de projetos de criação de cargos na Justiça Eleitoral. Desde então, salienta que atuou como vice-presidente da entidade no ano de 2008 e, no ano de 2010, aceitou o desafio de ser presidente da instituição, até 2015. Segundo conta, esse período período foi de muita mobilização da categoria para conquistar os planos de cargos e salários.

Conforme lembra o servidor, em 2016, após ocorrerem as maiores greves de toda história dos servidores do Poder Judiciário Federal, foi sancionado o último plano de cargos e salários, o chamado PCS. De lá para cá, ressalta João Batista, houve o agravamento da política de culpar os servidores públicos por todas as mazelas que acontecem no país.

Nesse momento, ele salienta que há projetos que visam enfraquecer a carreira dos servidores. Por isso, o desafio é mobilizar fortemente a categoria para assegurar os direitos já conquistados. “Não podemos aceitar retrocessos e, daquilo  que já conquistamos, não abrimos mão”, diz.

Principal bandeira
João Batista salienta que a intenção é intensificar as ações que levem ao conhecimento da sociedade a importância do trabalho dos servidores do Judiciário Federal para a consolidação do Estado Democrático de Direito. “Somos nós, os servidores, que colocamos a mão na massa para realizar, por exemplo, o processo eleitoral (TRE-GO) , solucionamos os conflitos trabalhistas (TRT-GO) e colaboramos no combate à corrupção (JF-GO)”, explica.

Segundo pontua, a maior dificuldade da categoria está nos projetos de desmanche do serviço público. Assim, também é um desafio despertar a necessária mobilização da categoria para enfrentar os ataques que miram na redução salarial e na perda da estabilidade, além da EC 95/2016 (teto dos gastos públicos), que impõe congelamento dos planos de cargos e salários.

Ele ressalta que a luta também é pela implantação da data-base para que assim não fiquemos reféns dos longos e demorados PCS. “O momento atual é de ataques ao conjunto dos servidores. Por isso, é necessário haver a devida resposta. Mobilizar para conquistar e manter direitos deve ser o norte de todo sindicato de servidores públicos, não apenas da categoria do Judiciário Federal”, completa.