segunda, 21 de janeiro de 2019 62 9 9904-5026
USA Fácil

USA Fácil

Centenas de imigrantes morreram atravessando a fronteira EUA-México em 2018

Pelo menos 376 imigrantes morreram tentando atravessar a fronteira EUA-México ilegalmente em 2018, segundo dados do Projeto de Migrantes Perdidos (MMP).

Este grupo acompanha as mortes de migrantes, incluindo refugiados e requerentes de asilo, em rotas migratórias em todo o mundo. Os 376 falecidos no limite sul dos EUA incluem 214 homens, 20 mulheres e 4 crianças, aos quais devemos acrescentar 138 restos humanos daqueles que não conseguiram identificar sua idade ou sexo.

As 376 mortes foram registradas até o último 21 de dezembro, devido ao fechamento parcial do governo dos EUA devido à falta de um acordo orçamentário, portanto espera-se que elas aumentem quando as produzidas até o dia 31 forem contadas.

De acordo com essa organização, dos 376 mortos, 90 supostamente vieram da América do Sul e do Caribe, 100 da América Central e 2 da Ásia, enquanto a origem dos 184 restantes é desconhecida.

A mídia conservadora Breibart News indicou que 230 dessas mortes ocorreram na fronteira do Texas, das quais 48 no Condado de Brooks, 128 quilômetros ao norte da fronteira com o México.

O valor provisório de 2018 poderia implicar uma redução em relação aos registrados nos dois anos anteriores, com 415 e 401, respectivamente, embora fosse significativamente maior do que em 2015 (339) e 2016 (306).

A fronteira sul dos Estados Unidos viu a chegada de imigrantes indocumentados crescer nos últimos meses. No último ano fiscal, que terminou em 30 de setembro de 2018, o número era de 521.090 pessoas, enquanto no ano anterior era de 415.517.

Em outubro e novembro últimos, dois dados últimas que têm registro oficial, foram presos na fronteira com o México 123.228 migrantes, muitos deles parentes e unidades menores não acompanhados, o que representa um aumento significativo do 73,992 de dois meses de homólogos de 2017.

Recentemente, o comissário do Escritório de Alfândega e Proteção de Fronteiras (CBP), Kevin Aleenan,assegurou à imprensa que a chegada de famílias de migrantes está criando uma “crise sem precedentes”.

Ele garantiu que muitos dos indocumentados chegam ao país sofrendo de doenças como gripe, pneumonia ou tuberculose, forçando seis crianças e onze adultos a se internarem.

Na véspera de Natal, um menino guatemalteco de oito anos morreu em um hospital no Novo México depois de ficar sob a supervisão da Patrulha da Fronteira por mais de uma semana.

Ele foi o segundo filho a morrer no mês de dezembro sob a custódia das autoridades norte-americanas, depois que uma menina guatemalteca de 7 anos morreu em um hospital do Texas depois de atravessar ilegalmente a fronteira do México com seu pai.

Law Offices of Witer DeSiqueira

Fonte: eldiariony.com

OBS.: O propósito deste artigo é informar as pessoas sobre imigração americana, jamais deverá ser considerado uma consultoria jurídica, cada caso tem suas nuances e maneiras diferentes de resolução. Esta matéria poderá ser considerada um anúncio pelas regras de conduta profissional do Estado da Califórnia e Nova York. Portanto, ao leitor é livre a decisão de consultar com um advogado local de imigração.

Comentários



Receba nosso informativo

Cadastre-se em nossa newsletter e fique por dentro das novidades do portal Rota Jurídica