Bolsonaro e filho são intimados para explicarem nomeação à embaixada nos EUA

O juiz Federal substituto André Jackson de Holanda Maurício Júnior, da 1ª vara Cível da Seção Judiciária Federal da Bahia, estipulou um prazo de cinco dias para que o presidente Jair Bolsonaro e seu filho, o deputado Federal Eduardo Bolsonaro, se expliquem sobre a possível nomeação do parlamentar como embaixador do Brasil nos Estados Unidos. O despacho foi proferido nesta segunda-feira (29).

A decisão do magistrado foi dada em ação popular, de autoria do deputado federal Jorge Solla (PT-BA), que alegou o cometimento de crime de nepotismo por parte do presidente. “O ato que está na iminência de ser praticado trata-se de nítido caráter de violação aos princípios da impessoalidade e moralidade administrativa, evidenciando o caráter despótico da iminência do ato”, afirma o parlamentar na ação.

Proximidade à família Trump

Em julho, o presidente Bolsonaro disse que cogitava nomear o filho como embaixador nos EUA. Ele explicou que Eduardo Bolsonaro é próximo dos filhos de Donald Trump e tem “uma vivência de mundo”.

Pouco tempo depois, Eduardo Bolsonaro defendeu a nomeação, negando que havia qualquer tipo de nepotismo. Também reiterou sua competência para o cargo: “Não sou um filho de deputado que está do nada vindo a ser alçado a essa condição. Tem muito trabalho sendo feito, sou presidente da Comissão de Relações Exteriores [da Câmara], tenho uma vivência pelo mundo, já fiz intercâmbio, já fritei hambúrguer lá nos Estados Unidos”, disse.